Página Inicial | Webmail | Acesso Restrito | Fale Conosco
Desenvolvido por: SIGEP - Sistema Integrado de Gestão Pública


Nossa FORÇA vem dos MUNICÍPIOS

Fone Geral: (62) 3999-7450

Rua 102 – nº 186 – no Setor Sul Goiânia – Go - E-mail: [email protected]


CGU avalia retomada de obras paralisadas em Estados e municípios

Publicado em 13/mar/2018


O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) avaliou o grau de sucesso nas ações para retomada de cerca de 1,6 mil obras paralisadas em junho de 2016, previstas na Portaria nº 348/2016 do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP). Os empreendimentos, integrantes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), são financiados com a transferência de cerca de R$ 3,5 bilhões em recursos federais – em áreas como educação, saneamento, cultura, turismo, transportes e saúde – sendo executados por Estados e municípios.

Acesse o relatório na íntegra

O Governo Federal pretende retomar e concluir obras com valor entre R$ 500 mil e R$ 10 milhões, em especial as de saneamento, urbanização de assentamentos precários, creches pré-escolas, quadras esportivas e unidades básicas de saúde. A meta inclui empreendimentos em 1.071 municípios localizados nos 26 Estados e no Distrito Federal.

Por meio da Portaria nº 348, o MP também definiu prazos para conclusão, fixando a data de 30 de junho de 2018 para obras com execução financeira superior a 50% e 30 de dezembro de 2018 para os empreendimentos com andamento igual ou inferior a 50% do valor de investimento. Além disso, foi estabelecido como meta a retomada de 1.120 obras até 30 junho de 2017 (70% do total).

Resultados

Até agosto de 2017, o levantamento da CGU, baseado numa amostra de 109 empreendimentos válidos, verificou que 48% das obras foram retomadas e 5% concluídas, gerando um total de 53% de obras efetivamente retomadas. As análises da CGU identificaram ainda que a retomada das obras por Estados e municípios ficou abaixo da meta inicialmente prevista, apesar da liberação dos recursos destinados aos entes pelo Governo Federal.

Dados do último balanço realizado pelo MP demonstram que 58% das obras foram continuadas até dezembro de 2017, subindo de 673 para 922 empreendimentos retomados, dos quais 255 já estão concluídos. Houve ainda o cancelamento de 127 empreendimentos.

Para subsidiar a Administração pública com informações que possam mitigar os principais motivos e riscos, outro objetivo da auditoria da CGU foi identificar a eventual existência de características e problemas comuns na paralisação das construções executadas com recursos federais em todo o país.

O relatório registra que a paralisação de obras nos Estados e municípios é um problema recorrente e, mesmo com a transferências dos recursos federais, o número de paralisações e atrasos é preocupante, com grandes prazos de execução e baixo índice de conclusão. Tal fato é corroborado pelo tempo médio para finalização das obras retomadas a partir da edição da Portaria nº 348/2016 e concluídas até junho de 2017, que superam cinco anos de duração.

 

No total de empreendimentos contemplados no esforço de retomada, a CGU identificou o seguinte: pouca abrangência da ação promovida; pulverização dos contratos; e necessidade de promoção de medidas complementares para redução do número de obras paralisadas.

Recomendações

A Secretaria de Desenvolvimento da Infraestrutura (SDI), área integrante do MP, deve monitorar a implementação das orientações pelos órgãos federais gestores quanto às sanções a serem aplicadas nos casos de descumprimento dos prazos pelos Estados e municípios, responsáveis pela execução das obras. O não saneamento das pendências pode levar, por exemplo, ao cancelamento do termo de compromisso e à redução dos valores pactuados.

Antes da conclusão do relatório, a discussão dos resultados com o Ministério do Planejamento resultou na expedição, pela SDI, de orientações com diretrizes a serem observadas. Ao final da auditoria, foram emitidas as seguintes recomendações:

Além do presente trabalho, a CGU vem contribuindo com o aperfeiçoamento das políticas públicas por meio da participação na elaboração de novos normativos e medidas estruturantes relacionados ao tema, tais como: legislação sobre transferências voluntárias da União; inclusão de novas funcionalidades no Portal de Convênios – SICONV, para um monitoramento mais preciso das ações e maior transparência para a sociedade; e o Guia de Avaliação de Políticas Públicas Ex Ante, elaborado sob a Coordenação da Casa Civil da Presidência da República, com o objetivo de melhorar a formulação de políticas públicas para garantir resultados efetivos.

Fonte: CGU

Hits: 0


Compartilhar




 
 
 





















A Federação Goiana de Municípios (FGM), antes Frente de Mobilização Municipalista (FMM) nasceu em 2001 por iniciativa de um grupo de prefeitos que com uma visão técnica, procuravam uma melhor forma de assessorar aos municípios do Estado de Goiás.

Leia Mais

Filie-se

Contatos


E-MAIL: [email protected]
TELEFONE: Geral (62) 3999-7450
Rua 102 – nº 186 – no Setor Sul Goiânia – Go

Fale Conosco


Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados | FGM - Federação Goiana de Municípios